domingo, setembro 26, 2004

...

here I am, on the road again.
There I go, turn the page.

sábado, setembro 25, 2004

olha eu aqui de novo!

Hoje tem Beverly mais uma vez.

Uma música pra ilustrar o momento:

Gene Kelly - SINGIN' IN THE RAIN

I'm singing in the rain
Just singing in the rain
What a glorious feelin'
I'm happy again
I'm laughing at clouds
So dark up above
The sun's in my heart
And I'm ready for love
Let the stormy clouds chase
Everyone from the place
Come on with the rain
I've a smile on my face
I walk down the lane
With a happy refrain
Just singin',
Singin' in the rain

Dancin' in the rain
Dee-ah dee-ah dee-ah
Dee-ah dee-ah dee-ah
I'm happy again!
I'm singin' and dancin' in the rain!

I'm dancin' and singin' in the rain...

Why am I smiling
And why do I sing?
Why does September
Seem sunny as spring?
Why do I get up
Each morning and start?
Happy and head up
With joy in my heart
Why is each new task
A trifle to do?
Because I am living
A life full of you.


Fui à Fnac e comprei a agenda 2005 do Chico Buarque e a nova tradução do Laranja Mecânica, do Anthony Burgess. Não encontrei a versão original em inglês.

No momento, ouvindo o jogo do São Paulo (não aconselho) e lutando contra o sono. Mas ainda é sábado, dá pra descansar amanhã. Segunda feira tem prova de Finanças II. Dei uma estudada hoje e amanhã vou dar mais uma pincelada. Vai ser paulera.

Bom, é isso.

uh! marcorélio!

Beverly Hills e a constatação de que nada é um sonho...

é tudo realidade. e é bom demais!

segunda-feira, setembro 20, 2004

ah, a auto-estima!

Fazia tempo que ela não vinha me visitar. Mas, como já diz um jargão militar, "um bom filho à casa retorna". Eles dizem isso pra divulgar o encontro de jubileu de veteranos militares, não sei direito.

Mas o meu caso nada tem a ver com o exército.

A história começa no Beverly Hills, bar em Moema que costumo freqüentar. Sábado passado, fomos dois casais e eu. Mais precisamente, Thom, a namorada, Felipe, a namorada e eu. Fui pela companhia de amigos, essas coisas que são importantes, porém já são sabidas por todos e, por isso, não necessitam de uma citação tão longa quanto esta. Enfim, estávamos lá e somente estávamos lá.

Assistimos aos shows do Vérber Diriges, como sempre, rachando de rir. Até que chegou a hora dos recadinhos. Eis que um deles é mais ou menos assim:

"Cara de branco em frente ao palco, você é uma gracinha. Beijinhos."

Eu era o cara de branco em frente ao palco. Em um primeiro momento, jurei que fosse tiração de sarro. Inclusive, fiquei com essa impressão porque o Bamba tirou um belo sarro de mim, falando que eu é que tinha escrito pra eu mesmo, "pra ver se alguma caía". Como eu tinha certeza que não tinha sido eu (óbvio), acreditei na versão do Thom de que tinha sido zueira do próprio Vérber.

Fim de show, pagamos e estávamos saindo quando a Pat ("a porteira" do bar) falou pro Thom que ela sabia quem tinha mandado. "Uma coisa que eu posso falar é que não foi o Bamba". Na hora, não escutei direito o que eles me falaram, por isso não fui lá indaá-la a respeito. Enfim, no outro dia, entrei no orkut e deixei na comunidade do Vérber uma mensagem perguntando quem tinha me mandado. Ela me respondeu por scrapbook e me passou o MSN dela.

Sim, meus queridos, fiéis e únicos leitores, foi ela. Uma das garotas mais bonitas e agradáveis que eu já conheci havia me mandado aquele recadinho. "A porteira" Pat tomou a iniciativa e me mandou um recadinho público. Como eu adoro isso. E como saber disso me deixou feliz novamente, como há muito não me ocorria.

Não dei-me ao luxo de perder tempo. Quinta-feira nos encontraremos em uma folga em nossas agendas. Torçam por mim. Vocês me conhecem suficientemente bem pra saber como eu estou nesse momento.

Alexander DeLarge bem disse no filme Laranja Mecânica: Initiative comes to thems that wait. Nunca essa frase foi tão bem contextualizada.

sexta-feira, setembro 17, 2004

mais um pros Ramones

Agora eles passaram Os Trapalhões.

Pra quem não sabe, existe uma competição entre os dois grupos pra ver quem acaba primeiro. Tá 3 a 2. Joey, Dee Dee e Johnny x Mussum e Zacarias.

A disputa tá acirrada.

domingo, setembro 12, 2004

continuando...

Voltando da macarronada, reli o último post. Não estou escrevendo do meu computador, é o do meu irmão e não estou acostumado à disposição das teclas. Corrigi alguns acentos que saíram errados por conta disso, mas não sei se me dei conta de todos eles. Se virem alguma crase invertida, já sabem o motivo.

Enfim, continuando. A macarronada nem tava lá essas coisas e também não era de graça. Pagávamos 5 reais (o preço de um comercial com arroz, feijão, bife, batata frita, ovo frito e farofa) e tínhamos direito a um prato de macarronada com frango. O frango até que tava bom, mas o macarrão estava cru e frio. Além disso, o molho estava mais diluído do que a caipirinha que eu fiz em Angra depois que reclamaram que estava forte. Mas mesmo assim deu pra matar a fome. Não digo que estava ruim, mas bom não estava. A "taça" de vinho era 1 real. Imaginem vocês o material de que era feita a taça e a marca e qualidade do vinho. Exatamente. Taça de plástico e vinho Sangue de Boi. Depois, ainda passei no Mc Donald´s e tomei um sundae de morango.

Fui hoje, também, comprar roupa social. Estava com as mesmas desde 2000, eu acho... quando comprei uma calça, uma camisa, uma gravata, um sapato e um blazer pra ir a uma festa de 15 anos. Como estava usando muito, a camisa ficou velha, a gravata desmontou e a calça encurtou. Minha mãe me deu uma calça marrom e três camisas no começo do ano, mas uma é vermelha, outra verde e não combinam com qualquer cor, só com a calça preta. Ganhei também uma gravata marrom bonita, essa continua inteira. Enfim, fui comprar hoje. E nunca pensei que fosse tão caro andar sempre bem alinhado. Comprei duas camisas (uma azul e uma verde clarinha), uma gravata azul listrada e uma calça cinza escura (quase preta) com pregas. Total da compra: 295 reais. É grana pra cacete. Dividi em 3 vezes, mas percebi que não tinha nenhuma folha de cheque. Paguei só a entrada no Visa Electron e o resto eu pago na terça feira, que é quando chega a calça com a barra (italiana, claro) feita. O melhor de tudo: cheguei em casa disposto a aprender a dar nó na gravata. Vi um cara dando o nó facinho facinho lá na loja e cheguei em casa na sede pra aprender. Peguei uma que eu mantinha com o nó feito como modelo e fui quebrando a cabeça. E finalmente eu aprendi a dar um nó bonitão na gravata. Igualzinho àquele que eu mantinha guardado. Mantinha, porque eu desfiz porque, agora que já sei, não precisa mais guardar ele feito! Que tesão! Agora é só praticar todos os dias que eu nunca mais esqueço.

Bom, quanto às minhas leituras, terminei de ler "Nosso homem em Havana", e é um livro nota 10. Quem puder, que leia. Aí, só pra quebrar um pouco a rotina de romances, estou lendo "Banco Imobiliário: Monopólio: A primeira escola de negócios". Ele diz como as estratégias para vencer usadas no jogo podem ser aplicadas na vida real para se ter sucesso no mundo dos negócios. Interessante, né? Agora vamos ver se ele diz coisa com coisa. Gostei do comecinho, mesmo ele só falando do jogo por enquanto. Mas nunca vou saber se não ler, né?

fim de semana agitadíssimo

Ontem teve futebol na casa do Thom e o grande sumido Thiago Pacey me questionou se eu ainda continuo à frente deste blog. Aqui está a resposta, caro amigo! Continuo aqui, sim, mas postando com um pouco menos de entusiasmo do que na época d'A Voz de SueD. Mas estou aqui, e é isso o que importa.

Enfim, ontem teve futebol à tarde e eu estou todo dolorido até agora. Realmente, estou precisando de um pouco mais de esportes em minha vida.

"Peguei emprestado" do meu padrasto (entre aspas porque ele ainda não sabe) o CD dos Mamonas Assassinas e estava relembrando ontem no carro com o Aldemar. Eles eram muito bons. E eu só vim a entender algumas das letras das músicas aos 19 anos. Percebi claramente as referências a bandas clássicas do rock como Clash e Rush. Quando saiu o CD eu estava na 4a série e nada disso passava pela minha cabeça. Quando que eu iria entender que "o homem é corno e cruel, mata baleia que não chifra e é fiel"?

Bom, depois do futebol o Thom foi ver um show lá no Black Jack. Não fui por algumas razões que não convém contar. Fui com o Aldemar no Yucatán, rodízio de comida mexicana. Depois dos burritos, não agüentei comer mais nada, pra variar. Tomei aquela cerveja importada "dos equis" e confirmei que a melhor cerveja é mesmo a Itaipava, seguida pela Original e todas as outras.

Acordei hoje às 9h, bem na hora de ver a corrida. Aconteceu o que eu esperava: Rubinho em 1o e Schummacher (já com o campeonato garantido) em 2o. Porque será, né? De todo modo, foi legal ver uma vitória de um brasileiro com o tema clássico da globo ao fundo. Estou saindo agora pra uma macarronada na igreja com meu pai. A gente paga cada mico pra ficar com a família, né? Mas tudo bem, eu tô com fome, mesmo, e quem tá pagando a macarronada é um candidato a vereador, aí... de graça, até injeção na testa. Meu voto pra vereador é do PV. Pra prefeito, decido nas próximas semanas. Será que o Penna vale a pena?

quarta-feira, setembro 08, 2004

de volta a São Paulo...

... depois de um feriadão em Angra dos Reis com o pessoal.

Muito sexo (pra uns), drogas (pra outros) e rock'n roll (para todos).

120 latas de Itaipava, 3 garrafas de vodca e 1 de 51 depois, estou com a cabeça meio "balão de gás hélio" até agora.

Agora: aula de modelagem e simulação empresarial. Vai ser de grande valia para meu aprendizado acadêmico essa aula de hoje.