sexta-feira, julho 29, 2005

Olhar para o óbvio

Não sei porque tanta gente pensa que olhar para o óbvio é pensar diferente.

Sonhei com uma música esses dias. A música não existe. A letra não existe e, pelo que me lembro, é genial. Mas, ao acordar, a única frase de que me lembro é esta supracitada.

Ter idéias no meio da noite, sonhar coisas geniais, etc, etc... Li na Super Interessante que isso é perfeitamente normal, porque à noite os níveis de um tal componente químico no cérebo caem, etc, etc... enfim, fiquei frustrado por não lembrar nada daquela invenção que era minha e que eu não tinha feito esforço nenhum para inventá-la.

Mas a frase é verdadeira. Como pode tanta gente olhar o mundo com olhos de detetive (sem, ao menos, possuir essa capacidade). É o óbvio que importa. É o simples. Nada de invenções mirabolantes, pensamentos supérfluos que nada ajudam, nada. Só o óbvio.

Esta idéia também não é nova. Mas é tão simples que poucas pessoas pensam. Vamos aos exemplos para que eu possa me expressar melhor. Todos aqui, eu acredito, conhecem e já utilizaram um produto da Johnsons' chamado Band Aid. À primeira vista, é um trocinho besta. Um esparadrapo com uma gaze no meio. E é exatamente o que o Band Aid é. Um esparadrapo com uma gaze presa no meio. E foi exatamente assim que ele foi inventado. Um homem, ao sair para trabalhar, deixava prontos esparadrapos com gaze para que sua esposa os utilizasse no caso de se machucar ao manusear agulhas de costura. É o óbvio!

Outra idéia genial originada do óbvio. Todos conhecem o carrapicho, aquela plantinha que gruda na calça da gente e que é difícil pra encrenca tirar. No Brasil tem de monte. Afinal, clima favorável, campos extensos, etc. Todos neste país algum dia já tiveram a calça infestada por carrapichos e nunca pensaram que aquilo poderia servir pra alguma coisa. Na Rússia, naquela imensidão de frio e gelo, onde um carrapicho pra nascer deve ter muita coragem, uma pessoa ficou com um carrapicho grudado na calça uma vez. Lá foi ele examinar a tal folhinha. E inventou o Velcro.

É olhando para o óbvio que a sociedade se criou. É olhando para o óbvio que as melhores invenções foram feitas. Um sistema complexo é facilmente destruído. Um sistema simples dura uma eternidade. E é isso que é olhar para o óbvio.

Não digo que não devemos ter criatividade. A criatividade é fator essencial ao olhar o óbvio. E fica ainda mais óbvio ao verificar os exemplos dados aqui. Criatividade é olhar o óbvio e ver o que ninguém vê. É assim que o mundo gira, é assim que novas idéias aparecem.

Mas nunca devemos esquecer de olhar para o óbvio, o simples, o que está bem debaixo de nosso nariz. Não raro as respostas para muitas perguntas são encontradas no óbvio. No simples.

Olhar para o óbvio não faz de ninguém uma pessoa especial. Só torna especial cada momento vivido por esta pessoa. É nos detalhes que se encontra a beleza da vida.

Pensem nisso.