sábado, março 04, 2006

escravo de mim

às vezes, meu bem, o melhor a fazer é esquecer.
ver a vida com olhos de criança.
enxergar o óbvio.
lembrar do simples.

esquecer do tempo,
pois o tempo não existe.
tudo é o que vemos.
o que vivemos.
o que falamos.
o que pensamos.
nada mais.

ser escravo do mundo
quando se pode só olhar
ser escravo do tempo
quando se pode só viver

não quero ser só mais um
minha vida pode ser bem mais que isso
porque não pensamos sempre assim?
porque não se pode mais sonhar?

ser escravo de tudo
quando não se pode entender
ser escravo de mim
é o melhor que posso fazer

é fascínio meu
escolher minha própria estrada
é desejo meu
simplesmente não ter destino
só andar, só andar...
sem rumo e sem direção

não quero manual de instruções
fique com o seu computador
nada disso mais importa como antes
agora que eu só quero ser feliz

ser escravo da terra
ser escravo do mar
ser escravo do fogo
como um barco no cais

Um comentário:

má disse...

lindo isso! de verdade! pq será q eu acho q isso td tem a ver com o q aconteceu hj? sim eu sei, o poema eh anterior a isso... mas não anterior a certas "imagens". Enfim.....