segunda-feira, maio 25, 2009

Budapeste

Hoje fui ver Budapeste.

Não sei o que, mas algo me incomodou nesse filme. Não fiquei completamente satisfeito. Talvez esperasse uma fotografia mais ousada, ou uma marca mais forte do diretor.

Talvez estivesse simplesmente esperando muito de um filme baseado em um livro tão bom. Acho que faltou fluência ao filme, fluência esta que Chico Buarque esbanja nas páginas de Budapeste.

Acho que os atores foram bem, mas a direção pecou em algo que eu ainda não descobri ao certo o que é. Preciso, talvez, reler o livro e rever o filme.

Apesar disso, simpatizei com o filme. As tomadas em Budapeste foram muito bem feitas – aliás, a cidade lembra muito Paris. O idioma Húngaro também teve bastante destaque, coisa que no livro não acontece. É interessante ouvir. A cena em que José Costa liga para o Brasil e fala diversas palavras em Português só para poder ouvi-las no eco do telefone fica muito mais intensa dessa forma.

A participação de Chico Buarque, se não é desnecessária, parece um golpe de marketing.

A tal da estátua do escritor desconhecido ficou tão forçada que parece que foi introduzida no filme depois, colada com durex.

E o final, apesar de banal e parecer preguiça do diretor de pensar em coisa melhor, tem lá sua validade.

Dou nota 3 em 5.

Alguém mais leu o livro e viu o filme? O que acharam? E os que não leram o livro e viram o filme?

Nenhum comentário: