quarta-feira, agosto 22, 2012

Minha cosmologia em poucas palavras

Meu mundo funciona de uma forma muito simples. Somos feitos de matéria, de átomos. Esses átomos são feitos de coisas ainda menores, prótons, neutrons e elétrons. Essas coisas podem se agrupar de formas distintas, formando os muitos elementos químicos existentes no universo. O universo, por sua vez, é feito da mesma coisa. Átomos. Esses átomos, quanto maiores, mais complexos. Portanto, precisaram de mais energia para serem formados. E de onde vem essa energia? Das estrelas. Elas são as fabricas dos muitos elementos químicos que observamos em nosso planeta. Ao morrerem, em sua explosão final, espalham esses muitos elementos por aí, formando o que conhecemos como nossa casa.
A massa total do universo é a mesma desde o inicio dos tempos, desde o big bang. Como sempre ouvimos, na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Nós, como somos, fazemos parte disso tudo. Somos feitos de poeira de estrelas, como já disse Carl Sagan. Estrelas nasceram, "queimaram" elementos mais simples, juntando-os em elementos mais complexos. Ao final de sua vida, explodiram, espalhando esses átomos, que vieram a formar outras estrelas e planetas, entre eles o nosso. Aqui, condições muito especiais fizeram com que esses elementos se combinassem de modo a não se deteriorarem com a radiação solar e tivessem uma característica fundamental: conseguiam se copiar. Como a cópia nunca é perfeita, pequenas mudanças foram se processando ao longo de muito muito tempo. O aumento de complexidade acompanhou a estabilidade relativa que nosso planeta foi adquirindo. Bilhões de anos depois, cá estamos nós, buscando respostas para as nossas perguntas fundamentais.
Pelo fato de a massa não ser criada de nenhum lugar, pra fazermos mais células para o nosso corpo, precisamos tirar de algum lugar. E esse lugar é a alimentação. Sais que foram expelidos de vulcões e transformados em rochas nas praias, depois em areia, absorvidos por uma planta, ingeridos por um animal herbívoro, depois por um carnívoro, até que um dia, acaba em nosso prato. Nós morremos, somos enterrados e a natureza trata de utilizar esses recursos que não precisamos mais. Eles vão ser incorporados em outras plantas, outros animais, ou até mesmo em rochas sedimentares.
A coisa é tão simples, e tão independente de explicações sobrenaturais que eu fico até sem jeito de expor isso dessa forma. A vida é linda sendo assim. Como Douglas Adams muito bem disse, basta admirarmos a beleza do jardim. Não precisa acreditar que há fadas nele. Para cada palavra nesse texto, há centenas de livros e milhares de trabalhos publicados. A ciência funciona assim. Estamos constantemente tentando derrubar o que é vigente no conhecimento. E quando conseguimos, avançamos um pouco no conhecimento do universo. Se posso sugerir que algo disso tudo fique em sua mente, que seja a curiosidade, a vontade de saber cada vez mais, a insaciedade com as respostas que temos. Só assim poderemos crescer como espécie.

Nenhum comentário: